NOVA MUTUM, 16 de Janeiro de 2022
icon weather 20 º 28 º
DÓLAR: R$ 5,54
Logomarca

AGRONEGÓCIOS Segunda-feira, 06 de Dezembro de 2021, 02:37 - A | A

NOVIDADE BIOLÓGICA

Biofungicida argentino agora pode ser usado no Brasil

Mais de 70% do mercado brasileiro de biológicos está voltado para o manejo do cultivo da soja

Leonardo Gottems/Agrolink

Foto: Reprodução

image

O biofungicida Rizoderma, desenvolvido pela empresa Rizobacter, em parceria com o Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (INTA), já foi aprovado para uso no Brasil, segundo uma publicação no portal especializado AgroPages. A empresa, que faz parte do Grupo Bioceres Crop Solutions, tem registrado um crescimento considerável no mercado brasileiro, com seu faturamento passando de US$ 6,5 milhões para US$ 23,8 milhões em cinco anos, um aumento de cerca de 260%.

A aprovação da Rizoderma pelo Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agropecuários permitirá que a Rizobacter comercialize seu tratamento de sementes 100% orgânico no país. “Vale ressaltar que, no Brasil, são investidos US $ 269 milhões anualmente em produtos biológicos, tornando o país um dos maiores mercados do mundo para esse tipo de insumo. A isso devemos adicionar uma taxa de crescimento anual de 28% (CAGR) estimada ”, afirmou a Rizobacter. 

Mais de 70% do mercado brasileiro de biológicos está voltado para o manejo do cultivo da soja. Especificamente, o mercado de tratamento de sementes está avaliado em US $ 3,9 milhões, cobrindo mais de 300.000 hectares e em pleno crescimento. “O objetivo é atingir, com a Rizoderma nos próximos anos, um faturamento de 6 milhões de dólares, nos orientando fortemente para o tratamento de sementes tanto no campo, quanto industrial”, disse Gabriel Mina, Chefe da Linha Terapêutica Rizobacter.

Mina destacou que essas tecnologias oferecem “maior compatibilidade com as formulações e maior viabilidade nas sementes, permitindo tratamentos com maior antecedência, facilitando a aplicação para os operadores e, fundamentalmente, alcançando sustentabilidade no sistema ao não causar efeitos negativos ao meio ambiente”. 



Comente esta notícia